«Qual é o objectivo de correr? Nenhum, apenas quero continuar a correr. Não tenho outra finalidade além da de continuar a correr enquanto puder. Corro para viver. Não posso viver de outra maneira.»
Quarta-feira, 27 DE Maio 2009

O dia começou ainda noite. 4h30m toca o despertador. Levanto-me e começo a preparação: pensos-rápido para os mamilos, fita polar no peito, vaselina nos pés e virilhas. Meias bem postas. Calções de licra (com reflectores). Camisola manga curta.

Apesar das horas tive direito a que me preparassem o pequeno-almoço. Panquecas com manteiga e marmelada.

Conduzo para o ponto de partida, o Relvão, a esta hora (5h00m) está mais trânsito do que eu imaginava e além disso os condutores estão cheios de adrenalina (e outras coisas). Tomo a decisão de adiar um pouco a partida. No rádio do carro ouço “gaivota” em três músicas diferentes, na voz da Amália Rodrigues, na voz da Dulce Pontes e na voz da Sónia Tavares. Qual a melhor?

Por ser noite quase esqueci o protector solar. Ainda a tempo besuntei-me com factor 50+ que bem me protegeu durante o dia. Eram 5h40m quando comecei a correr em direcção à Baía da Salga.

Mochila às costas. Garrafa com Isostar na mão. Vou vendo o amanhecer diferente enquanto não penso muito naquilo que faço. Olho para o cronómetro e confiro o passo: muito rápido, mas não consigo evitar. Estou fresco, o dia está fresco. Deixo-me ir.

Baía da Salga. (1h20m, 13Km) Tempo para tirar da mochila uma barra de cereais e um pacote de gel. Muito facilmente como os cereais e o gel, já em direcção ao Porto Martins.

Aparece o Joel, bicampeão nacional de Kicboxing, que me vai abastecendo em pontos chave ao longo do percurso.

Neste percurso esperava-me umas grandes subidas. E lá as fiz. Muito rápido, dizia eu de mim para mim, vou pagar isto mais à frente (e se calhar paguei). Mas o importante aqui foi a recuperação. Com pouco mais de 1h30m de corrida tinha recuperado a minha força mental. Agora tinha a certeza que ia conseguir (desde que não fosse atropelado).

E lá prossegui, as horas a passarem-se, os quilómetros também. O Filipe (continental) telefonou: «Força pá!» Energia melhor que o gel energético.

Vila Nova. (4h, 40Km) Metade da ilha corrida, já só falta metade, a pior metade, mas isso não é para pensar agora. Troco de calções e de camisola. Encho os depósitos de água e Isostar e continuo rumo às Quatro Ribeiras.

Preciso de mais forças, convoco a minha deusa.

Podiam ter feito isto plano. Sempre grandes subidas (é bom para os músculos) e grandes descidas (é bom para as articulações). Depois dos Biscoitos melhora, pensava eu cheio de esperança, mas não, é sempre a subir, embora menos inclinação.

E foi assim, sem muitas dores, mas sempre a subir, até à mata da Serreta, onde a minha sobrinha Joana me fez uma visita. Estive uns 20 minutos parado. Não sei se foi bom ou mau para as pernas.

É que a partir daqui tudo foi mais doloroso.

Agora é que dói a sério. Agora é que vou ver de que matéria sou feito.

O meu amigo volta a telefonar. «Ainda te consegues rir é porque ainda tas bom!» Eu é que já não sei o que é rir e o que é chorar.

Prá frente é que é o caminho. Tantas nuvens no céu e nenhuma se meteu à frente do sol.

Subida da Serreta. (7h, 60Km). Esta subida não era tão grande nem tão comprida, esticaram-na e inclinaram-na especialmente para mim. Que queridos.

Acabo todas as reservas. Por causa do cansaço, do calor e sei lá mais o quê, já não consegui comer mais nada, até o gel energético me dava vómitos. Faltavam uns 25 kms. Uns longos e compridos 25 Kms.

Doze Ribeiras. (8h, 70Km). A passada caí de ritmo vertiginosamente. Começo a andar a mais de 6 min/Km. E a partir do quilometro 78 a mais de 7min/Km.

Cinco Ribeiras. (74Km, 8h30m). Pensamentos filosóficos profundos: quem deu o nome a estas terras tinha falta de imaginação: “Quatro Ribeiras”; “Doze Ribeiras”, “Cinco Ribeiras”.

Aparece agora o Eliseu, disposto a correr comigo os últimos quilómetros. Rebocador de luxo, campeão Açoriano de K1 Kayak-Mar por 8 anos consecutivos e três vezes campeão nacional de K2 Kayak-Mar. Vamos ao meu passo (claro) que mais parecem passinhos de bebé.

A parte mais complicada do percurso, com o aproximar da cidade de Angra aumenta exponencialmente o trânsito. Quase que fui atropelado.

Meta à vista, cumprido o objectivo. “Eu não desejava a vitória, mas a luta.” (August Strindberg)

Paro o cronómetro.

Data: 24.05.2009 05.40

Nome: Volta à Ilha Terceira

Duração: 09h40m08s

Calorias: 6857 kcal

Distância: 82,830 km

Velocidade méd: 8,57 km/h
Velocidade máx: 14,4 km/h
Ritmo méd: 07:00 min/km
Ritmo máx: 04:10 min/km

FC média: 146 bpm

FC máxima: 176 bpm.

 

Agradeço à equipa de apoio, sem eles não tinha conseguido chegar a meio.

Durante esta aventura bebi uns 6 litros de água, uns 2 litros de Isostar, 5 pacotes de gel (70 ml), mal comi 3 barras de cereais e meia dúzia de bananas.

Agora é tempo de assimilar conhecimento, ver o que podia ter corrido melhor e depois pensar o próximo desafio…

Até lá, boas corridas.

Ricardo às 23:20
Ultra-Maratonas

Volta à Ilha Terceira (83Km)
24MAI09 | 9h40m08s

Maratonas

Maratona do Porto
21OUT07 | 3h43m14s

Maratona de Lisboa
07DEC08 | 3h35m58s

Maratona do Porto
08NOV09 | 3h33m11s

Maio 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
16
17
19
21
25
26
28
29
30
subscrever feeds
mais sobre mim
últ. comentários
O texto e bom e foi muito construtivo ler e o bom ...
Adorei😃😃
blogs SAPO